Home / Curiosidades /

Como o Turismo Desportivo impulsiona as economias locais

Como o Turismo Desportivo impulsiona as economias locais

ProfileMate
     

Na sequência das polémicas criadas em Portugal em torno da realização da fase final da Champions League 2020 e do Grande Prémio da Fórmula 1 em plena pandemia Covid-19, hoje analisamos qual o impacto que o turismo desportivo representa na verdade para as economias locais.

Existe uma hipótese de você ser um turista de desporto e ainda nem ter percebido isso mesmo. Se você já viajou para longe de casa – seja para uma cidade vizinha ou para um país distante – para ver um jogo e gastou algum dinheiro ao longo do caminho, então você é culpado de turismo desportivo em primeiro grau.

Mas… O que é turismo desportivo?

O turismo desportivo é um segmento crescente das viagens globais em geral. Em termos técnicos é definido como uma viagem que envolve a observação ou a participação num evento desportivo, permanecendo separada do ambiente habitual dos turistas em determinado local. E é também um dos segmentos de crescimento mais rápido da indústria de viagens na actualidade.

No entanto, o turismo desportivo é um conceito bastante antigo. Muitos especialistas citam os antigos Jogos Olímpicos como o primeiro exemplo deste tipo de atividade, onde as pessoas viajavam para assistir ou competir em competições.

Os motivos do turismo desportivo moderno enquadram-se em 5 categorias: participação desportiva, treino desportivo, eventos desportivos, turismo com conteúdo desportivo e viagens desportivas de luxo. Existem também aqueles, como os apostadores que utilizam os melhores sites de apostas, disponíveis em apostasonline24.net.

Impacto económico do turismo desportivo

O turismo desportivo traz alguns benefícios significativos aos destinos que hospedam eventos. Os aumentos económicos, diretos e indiretos, são as principais vantagens de uma cidade ou região acolher eventos desportivos de larga escala.

Os gastos diretos de turistas desportivos em instalações anfitriãs, como hotéis, restaurantes e locais de entretenimento estimulam a economia local. Acresce ainda que normalmente são criados empregos temporários em grande número e com isso existe também um aumento na receita de impostos obtida por determinado país.

Na verdade, está provado estatisticamente que eventos desportivos notáveis ​​também podem melhorar a imagem e as oportunidades disponíveis nas áreas em que os eventos são realizados. Por sua vez, essas áreas atraem futuros visitantes e o dinheiro que eles gastarão, o que é um resíduo desejável para muitas cidades.

Um excelente exemplo é o Lord’s Cricket Ground em Londres. Esta casa histórica de partidas internacionais de críquete atrai espectadores de lugares distantes durante as competições.

A Lord’s também tira proveito de um fluxo constante de visitantes quando os campos estão dormentes. Os turistas visitam os jardins do estádio, vão ao museu de críquete adjacente (o mais antigo do género no mundo) e compram recordações e merchandising.

Casos específicos de turismo desportivo de sucesso

O Mundial de Futebol FIFA é o maior evento desportivo do mundo em número de espectadores. Cerca de mil milhões de espectadores, quase metade dos residentes na Terra, sintonizou-se para assistir ao futebol internacional espetacular em 2018, quando a Rússia foi a anfitriã.

A economia da ex-República Soviética arrecadou algo entre US $ 26 bilhões e US $ 31 bilhões com o mês da Copa do Mundo, de acordo com a CNBC. A conta da Rússia para sediar o evento chegou a US $ 14 bilhões e 220.000 empregos foram adicionados à força de trabalho nacional.

Nos Estados Unidos, os eventos desportivos não ficam maiores do que o Super Bowl, o campeonato anual da NFL. A grande final da temporada de futebol traz centenas de milhares de visitantes à cidade-sede, seja para assistir ao grande jogo ou para participar do carnaval ao redor.

Victor A. Matheson, economista esportivo e académico do Massachusetts College of the Holy Cross, passou anos para entender os dólares por trás do Super Bowl. Pelos seus cálculos, as cidades geram de US $ 30 milhões a US $ 130 milhões em atividades económicas ao hospedar o evento.

 

Outros colocam o número muito mais alto. Quando Atlanta sediou o Super Bowl, a Câmara de Comércio da cidade previu uma injeção de $ 400 milhões na economia local.

Tanto o bureau de convenções quanto o bureau de visitantes em Atlanta foram benfeitores do Super Bowl. Desta forma, a cidade pode transformar as suas bem-sucedidas funções de hospedagem em negócios de convenções cada vez maiores. Parece haver uma noção de que, se uma cidade pode administrar um influxo do tamanho do Super Bowl, uma grande convenção será um passeio no parque.

Até o póquer ao vivo é um competidor no turismo desportivo. Por exemplo, o PokerStars Caribbean Adventure anual atrai competidores e espectadores para Paradise Island nas Bahamas. Em 2019, 771 jogadores de poker de todo o mundo foram ao Atlantis Resort para o torneio de uma semana.

O turismo desportivo é um setor em expansão que oferece recompensas financeiras e de visibilidade aos locais anfitriões. Uma diversidade de eventos de alto perfil ilustra como essa marca de viagens injeta milhões, até bilhões, nas economias locais. Os locais anfitriões também percebem oportunidades recorrentes de receita após os eventos desportivos.

Champions League e Fórmula 1 em Portugal em 2020

Este ano realizaram-se 2 eventos desportivos em Portugal que motivaram muita polémica, não por causa do retorno financeiro que proporciona, mas sim por serem realizados em plena pandemia Covid-19.

Mas qual foi afinal o impacto económico para o país?

Ambas as provas proporcionaram um saldo positivo, nomeadamente 50,4 milhões de euros no caso da “final a oito” da Liga dos Campeões, em Lisboa (segundo um estudo do Instituto Português de Administração de Marketing – IPAM), enquanto o economista Paulo Reis Mourão estima que o impacto da realização de um Grande Prémio de Fórmula 1 em Portugal possa ter chegado aos 130 milhões de euros, entre ganhos diretos e indiretos.

Como é que estes valores são calculados?

De acordo com o estudo do IPAM sobre a fase final da Champions League 2020, centrado no impacto económico e mediático da prova, quase metade (49%) do impacto “beneficia as refeições” em casa e fora da habitação. O alojamento contribui para 13% do impacto, as viagens para 9%, atividades turísticas para 5%, com as restantes percentagens divididas entre atividades publicitárias, eventos, compras e outras atividades comerciais.

Em declarações à agência Lusa, Daniel Sá, professor universitário e especialista em marketing desportivo, refere que “os 50 milhões são muito importantes, mas não vão salvar a nossa economia. O maior impacto, na nossa opinião, é o mediático”, realçando os números da final de 2019, que gerou uma audiência de 400 milhões de telespetadores em todo o mundo, e mais de mil milhões de interações relacionadas nas redes sociais.

Por sua vez, o impacto da F1 em Portugal pode superar os 100 milhões de euros! Autor do livo “The Economics of Motorsports: The Case of Formula One“, em que apresenta um estudo sobre a economia à volta da F1 desde o seu início, em 1950, Paulo Reis Mourão disse, em declarações à agência Lusa, que o impacto económico direto sem público poderia rondar os 100 milhões de euros.

“O impacto direto, sem público, seria algo entre 30 a 50 milhões de euros (num período até ano e meio a dois anos após a prova). Indireto (somando emprego criado, rendimento adicional, receitas fiscais, efeito multiplicador e promocional), e considerando a dimensão de Portugal, em contexto pandémico, pode ir até mais 40 a 50 milhões de euros”, estimou o professor de Economia na Universidade do Minho.

No entanto, com público, conforme se verificou, o impacto económico pode ser ainda superior. “Com público, podemos ter mais 20 a 30 milhões de euros”. O Mundial de Fórmula 1 regressou a Portugal em 25 de outubro, ou seja, 24 anos depois da última vez, agora no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
 

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *