Home / Ciência e Tecnologia /

Sol: Afinal, o sol faz bem ou mal? Descubra a resposta

sol portugal

Sol: Afinal, o sol faz bem ou mal? Descubra a resposta

Mídia Kit Blog Mundo de Viagens

“A exposição excessiva à luz solar é causa subjacente de efeitos nocivos na pele, olhos e sistema imunitário”: é este o alerta dado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) que sublinha, numa mensagem no seu site, que as radiações ultravioleta (UVA e UVB) são inimigas da saúde. Vários estudos provaram que o aumento da incidência de cancros cutâneos nas últimas décadas está diretamente associado à popularidade das atividades ao ar livre e à exposição solar com fins lúdicos.

Mas o sol também tem o seu lado mais benéfico. Graças à relação da luminosidade com o calor, que estimula a circulação sanguínea, a radiação solar  promove, por exemplo, o bem-estar geral. Tal é uma vez mais atestado pela OMS. A chave está em dosear este prazer com cuidados protetores capazes de reduzir o risco de danos graves – quer imediatos quer a longo prazo.

Ao fazê-lo estará também a criar condições para aproveitar as mais-valias do sol para a sua saúde. Neste post, tentamos explicar de que forma é que o sol pode beneficiar o seu organismo, qual a “quantidade” certa para sentir os efeitos e, acima de tudo, quando é que a exposição se pode tornar abusiva.

Como o organismo “radia” quando está ao sol

1 – Ossos

ossos

A radiação ultravioleta é fundamental para a saúde devido à importante produção de vitamina D, indispensável para fomentar a absorção do cálcio e do fósforo dos alimentos a nível intestinal – um papel crucial no desenvolvimento do esqueleto, já que aumenta a densidade mineral óssea (prevenindo a osteoporose) mas também na função imunitária e na formação das células sanguíneas.

No entanto, segundo a OMS, “cinco a 15 minutos de exposição solar casual das mãos, rosto e braço, duas a três vezes por semana durante os meses de verão” é quanto basta para manter níveis adequados de vitamina D – e, em zonas próximas do Equador, o tempo necessário é ainda menor.

2 – Sistema Imunitário

sistema

Embora a luz solar possa desencadear lúpus em pessoas com uma inclinação genética para a doença e a sensibilidade ao sol seja um dos seus sintomas, a radiação UV pode ter um efeito positivo na psoríase. No caso da esclerose múltipla, “vários estudos sugerem que as pessoas que passam mais tempo ao sol e as que têm níveis relativamente altos de vitamina D têm uma menor probabilidade de desenvolver” a doença e outros sugerem que essas pessoas “geralmente têm EM menos severa e menos recaídas”, salienta o National Institute of Neurological Disorders and Stroke. Mas sempre com conta, peso e medida: é que a exposição solar prolongada pode agravar a psoríase e o excesso de calor, ao fazer aumentar a temperatura corporal, agrava os sintomas da esclerose múltipla.

 

3 – Visão

olhos

É certo que a exposição dos olhos à radiação UV é um dos factores de risco para o desenvolvimento de cataratas e doenças da retina, incluindo a degeneração macular; que uma exposição prolongada pode causar lesões por secura da superfície dos olhos, que podem associar-se a infeção; e que olhar diretamente para o sol pode gerar queimaduras da retina com perturbação permanente da visão. Para isso existem os óculos de sol que, além de assegurarem a proteção dos olhos, acrescentam um pouco de estilo.

No entanto, segundo a Academia Americana de Oftalmologia, vários investigações sugerem que a luz natural pode ser essencial para o desenvolvimento normal do olho em crianças em idade escolar e jovens adultos, sendo importante passar cerca de 3 horas por dia ao ar livre para reduzir o risco de miopia. A exposição à luz natural estimularia um químico chamado dopamina que regula o crescimento normal do globo ocular.

4 – Sono

dormir

O sono depende do “relógio biológico”, comandado por neurónios localizados em duas pequenas estruturas situadas no hipotálamo, que são responsáveis pela criação de ciclos que duram cerca de 24 horas. Quando o sol se põe ocorrem atividades cerebrais que induzem o sono – nomeadamente a segregação da hormona melatonina – que se alteram na presença de luz solar. Assim, para um padrão de sono regular, o ideal é acordar com a luz do sol ou outras luzes muito brilhantes, expor-se à luz natural pelo menos 30 minutos por dia e escurecer o ambiente antes de dormir.

5 – Humor

humor

O relógio biológico também afeta o humor, sendo apontado como a origem da depressão sazonal, caracterizada pelo surgimento de episódios depressivos no outono ou inverno que desaparecem na primavera. Um dos tratamentos prescritos, como indicado pela American Psychological Association, é a fototerapia, em que os doentes olham de frente para as lâmpadas fluorescentes intensas, cuja luz passa através da retina e estimula o núcleo supraquiasmático, onde se encontra o relógio biológico. Segundo a mesma fonte, para pessoas cujos sintomas são moderados, passar mais tempo ao ar livre pode ser suficiente.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
 

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *