Home / Ciência e Tecnologia /

Quem viaja tem mais hipóteses de ser bem-sucedido

quem viaja

Quem viaja tem mais hipóteses de ser bem-sucedido

 

O sucesso pode ser definido de forma diferente por cada pessoa, mas a verdade é uma: algumas pessoas alcançam as suas metas enquanto as outras desistem antes sequer de tentarem. O que é que as pessoas bem-sucedidas têm que as outras não? Foram já vários os psiquiatras e investigadores a escrever sobre as habilidades e hábitos necessários para alcançar o sucesso mas parece nunca haver uma fórmula, que possa ser aplicada qualquer um, para alcançar os resultados almejados.

Há pessoas que têm mais probabilidade de ser bem-sucedidas do que outras. Quem viaja com frequência, por exemplo, fica a dominar certas competências que ficam para a vida. Neste artigo, apresentamos por isso 15 razões que comprovam que quem viaja com frequência tem mais probabilidade de alcançar os seus objetivos.

Quem viaja…

Sabe como ter sucesso fora da sua zona de conforto

Se viaja com regularidade está habituado a lidar com situações que não lhe são familiares. Por necessidade, terá de trabalhar e combater aquilo que é “estranho” de forma a conseguir o conforto merecido e conseguir desfrutar da viagem que está a fazer. Encarando múltiplas novas experiências, aprende assim estratégias que o ajudam a manter a calma e que, ao longo da vida, serão úteis em momentos de tensão.

Aceita de bom grado a mudança

Quem viaja está constantemente à procura de novidades. Rodeado de coisas novas e diferentes para evitar o tédio, aprenderá inevitavelmente a focar a sua atenção e a lidar com mudanças. Esta maneira de pensar inspira a inovação e a criatividade.

Sabe gerir as suas emoções

Uma pessoa que viaja está mais do que habituada a momentos de stress: conexões aéreas com horários muito próximos, empregados de hotel antipáticos, perguntas por guardas da fronteira, entre outros. O final de um dia de viagem pode ser mais do que cansativo: pode ser verdadeiramente frustrante. Porém, quem viaja rápido desenvolve uma capacidade para gerir emoções e permanecer calmo, mesmo debaixo de pressão e, assim, ter consciência de tudo aquilo que o rodeia. O resultado? Aumento de produtividade e facilidade em ajudar outras pessoas a reconhecer a felicidade nas suas vidas.

Confia nos outros e não precisa de estar sempre em controlo

Um viajante tem de confiar constantemente em pessoas que não conhece. Ao lidar com barreiras como a linguagem ou até mesmo condutores de táxi em cidades que não conhece, está a depositar toda a sua confiança na simpatia de estranhos. Aceitando o facto de que nem sempre pode estar em controlo da situação, resta-lhe construir relações com quem o possa ajudar. Esta lição manifestar-se-á, durante a vida, na sua aptidão para escolher amigos e confiar neles.

Gere o medo e ultrapassa-o

A chave para o sucesso está em saber tomar uma atitude. Quando uma pessoa viaja muito tem de lidar frequentemente com situações que não têm volta a dar: a decisão que tomar é definitiva. Esta obrigação de encarar o desconhecido e de partir para a ação rápida ajuda qualquer pessoa a encarar o medo de frente.

Reconhece e agarra oportunidades

Quem viaja tem uma experiência mais ampla, assim como um maior conhecimento acerca do mundo. Aprende novas e melhores formas de se fazerem certas coisas que tomávamos como certas e, ao estarem expostos a costumes e culturas diferentes, começam gradualmente a aceitar as diferenças e a agarrar oportunidades por elas proporcionadas. A nível pessoal, isto vai traduzir-se num espírito de iniciativa sempre consciente, capaz de encontrar oportunidades que mais ninguém vê.

Sabe negociar para conseguir o que quer

Um viajante aprende a negociar para evitar que outros se aproveitem de si. Boas capacidades de negociação são um requisito necessário para se conseguir aquilo que se quer ou precisa sem ser agressivo ou aborrecido. Esta capacidade é importante, mais tarde, para influenciar outras pessoas e convencê-las a aceitar as suas ideias.

 

Vê beleza onde a maior parte não vê

Ao encontrarem e conhecerem tantas coisas novas e diferentes, as pessoas que viajam acabam por treinar os seus cérebros para que procurem e se foquem naquilo que é bonito. Assim, pessoas que viajam reconhecem a beleza em coisas que, ao olhar de outros, parece ser muito comum. Esta capacidade manifesta-se principalmente entre os grandes fotógrafos e poetas.

É mais confiante e sabe esconder as suas vulnerabilidades

Pessoas que viajam muito aprendem a estar dependentes de si mesmas e de mais ninguém. Assim, ganham a confiança necessária para concretizar os seus objetivos, não importa as vulnerabilidades que, à primeira vista, pintem um cenário negativo. Ao acreditar em si, vai ser persistente, encarar obstáculos e recuperar com mais facilidade, mesmo que, pelo caminho, vacile.

Aceita facilmente pessoas diferentes

Quem viaja está sempre a encontrar novas pessoas. A experiência vai então ensiná-los a fazer perguntas para que consigam saber mais sobre as pessoas e o meio onde se inserem, assim como a cidade e cultura. Inevitavelmente, chega-se a um ponto em que as perguntas começam a sair naturalmente, algo moldadas pela curiosidade do viajante. Isto, obviamente, inspira grandes conversas que ajudam os viajantes a perceber e aceitar as pessoas e as suas perspetivas.

Sabe viver no momento

Carpe Diem é uma expressão que qualquer viajante começa a incluir na sua filosofia de vida: aprendem a viver no momento. Isto, claro, traz inúmeros benefícios físicos e mentais. Se está habituado a viajar sabe que cada segundo conta. Isto, por si só, é mais do que suficiente para o motivar a viver no momento.

Sorri mais e é mais feliz

Estudos têm provado que quem viaja é mais feliz. Não só porque sorriem mais, mas também porque exploram novos lugares e se sentem felizes ao conhecer tantas pessoas novas e diferentes. Além disso, as incríveis paisagens, a comida nova e deliciosa e a partilha de momentos com aqueles de quem mais gostamos traduz-se num verdadeiro entendimento de que se deve viver cada momento como se fosse o último.

Reconhece a importância de ouvir

Esta é uma capacidade que muitas pessoas desejavam ter. Aprender a focar-se e em realmente ouvir o que as pessoas têm a dizer é extremamente importante para alcançar sucesso na vida. Todo o caminho parte por construir relações e, quase como se fosse o cimento dessas relações, ouvir as pessoas para aprender sobre elas. Pessoas que viajam muito sabem que é de facto necessário ser um bom ouvinte para se ser percebido.

Julga menos e é mais simpático

Grandes líderes sabem que a habilidade de se relacionarem com outros permite ganhar a sua lealdade. Quem viaja aprende por isso a ganhar a simpatia dos que o rodeiam e evita sempre fazer juízos de valor que possam ofender. A empatia provém de uma vontade de perceber e as pessoas que viajam demonstram esta vontade de forma natural.

Pode não ser rico mas sabe como gerir o seu dinheiro

Até onde vai o seu dinheiro? Esta é uma pergunta a que os viajantes têm de dar resposta. Ao fazer do mundo a sua casa pode escolher novos lugares para visitar e cuja viagem (transporte + alojamento + refeições) possa ser tolerado pelo seu orçamento.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
 

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *