Home / Ásia /

Nara Dreamland: quando o sonho se transforma no pesadelo

Nara Dreamland: quando o sonho se transforma no pesadelo

 

Quando pensamos em parques temáticos, a ideia que nos passa pela cabeça automaticamente é a de um espaço animado e divertido, com casas assombradas que nos fazem rir, montanhas russas que nos deixam com o cabelo em pé e carrosséis que testam os nossos próprios limites. Porém, há um parque temático que contraria tudo isto.

Chama-se Nara Dreamland e fica em Nara, no Japão. Em tempos, quando foi construído e abriu portas, correspondia a todas as expectativas das fantasias infantis. Na sua inauguração em 1961, chegou mesmo a ser rotulado pela imprensa como a “resposta japonesa”para a Disneyland que tanto sucesso estava a fazer nos Estados Unidos.

A questão é que este sonho não viveu feliz para sempre.

Cerca de 45 anos depois da abertura do parque temático, a popularidade do Nara Dreamland começou a diminuir drasticamente. A certo ponto, o Nara Dreamland tornou-se de facto insustentável e teve de fechar portas de uma vez por todas. Entregue ao abandono, o parque de diversões viu as suas cores tornarem-se baças, corrompidas pela ferrugem enquanto as gargalhadas eram substituídas pelo silêncio e as pessoas por ervas bravas.

Atraído pelo que se sucedeu no Nara Dreamland – ou será que devemos dizer Nightmareland? – o fotógrafo Romain Veillon dirigiu-se ao complexo com a sua máquina fotográfica e captou algumas imagens interessantes e arrepiantes. Ainda que a entrada no parque seja completamente ilegal, isto não foi impedimento para Veillon.

 

No seu livro fotográfico, Romain Veillon incluiu as fotografias que captou e escreve que “quando pensas em todas as boas memórias feitas neste lugar, ficas nostálgico ao recordar o tempo em que o parque estava cheio de alegria e pessoas.”

Neste post, apresentamos algumas das fotografias captadas por Romain Veillon ao Nara Dreamland.

10 fotografias do parque de diversões Nara Dreamland

Gostou do trabalho do fotógrafo Romain Veillon? Conheça mais sobre a sua obra aqui

 

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *