Home / Dicas de Viagens /

9 dicas para viajar com animais e ter umas férias divertidas

9 dicas para viajar com animais e ter umas férias divertidas

 

Os nossos amigos de quatro patas não são apenas nossos amigos para os momentos em que estamos em casa. Chegada a época alta e os meses de calor, surge a necessidade de viajar e, infelizmente, muitas pessoas começam a encarar os seus amigos de quatro patas como aborrecimentos dos quais se querem livrar. Não é por mero acaso que em Portugal, na altura do verão, se continuam a registar as maiores taxas de abandono animal.

No entanto, há formas muito simples de integrar os animais nas suas férias e viagens. Os gatos, por norma, são animais de fácil manutenção e que conseguem viver em espaço doméstico por sua própria conta desde que alguém visite a sua casa em períodos regulares para abastecer com água, ração e mudar a areia da caixa de necessidades. Mesmo assim, existem alternativas para que não o deixe sozinho, como hotéis veterinários ou até mesmo levá-lo consigo.

Mas para os cães esta é uma alternativa muito pouco recomendada, uma vez que os cães exigem maior manutenção e mais atenção por parte dos seus donos. Para além dos hotéis veterinários, muitas pessoas optam também por levar o seu amigo de quatro patas de férias com eles… o que acaba por ser uma excelente ideia!

Além do mais, trazer o seu cão de férias consigo apenas contribui para aumentar a diversão e aliviar a preocupação de não saber o que está a acontecer com o seu cão enquanto está na estrada. No entanto, é preciso que considere algumas coisas antes de se lançar à estrada com o seu animal e que planeie a sua viagem com alguma antecedência.

Ao longo dos próximos parágrafos apresentamos algumas dicas para viajar com animais. Uma vez que não sou propriamente um especialista no assunto (embora tenha o meu amigo de quatro patas e o costume levar comigo de férias!), procurei orientar-me por algumas dicas de Cesar Millan, o famoso Encantador de Cães.

9 dicas para viajar com animais e ter umas férias divertidas

Colocar o cão na transportadora

É natural para que se sinta mal consigo mesmo na altura de inserir o seu cão na transportadora. Afinal, nenhum de nós gostaria de ser fechado numa caixa. Mas não se projete nos seus sentimentos do seu cão. De acordo com Cesar Millan, os cães não se importam de estar dentro da transportadora e alguns dele até se sentem mais seguros dentro de uma.

A coisa a mais importante a considerar é que o seu cão fez bastante exercício físico antes de entrar na transportadora. Se gastar todo o excesso de energia acumulado, estará mais inclinado para descansar durante a viagem. Entretanto, tenha cuidado a verificar se não há nada na caixa capaz de prejudicar o seu cão. Trelas e coleiras soltas são itens especialmente perigosos que podem provocar estrangulamento.

E mantenha a sua energia positiva. Não apresente a transportadora como se fosse uma prisão. Mostre ao seu cão a caixa e abra a porta. Não empurre o cão para dentro da transportadora. Deixe-o entrar lá sozinho. Quando estiver lá dentro e devidamente confortável, pode fechar a porta. Caminhe com boa energia e com a linguagem corporal certa. Se usar uma voz triste e disser coisas como “Não fiques triste. O dono já vem”, o sue cão vai pensar que algo de errado se está a passar e vai ficar ansioso.

Regresse cerca de 15 minutos depois. Isso facilitará a ansiedade de separação do cão da próxima vez que o colocar na transportadora. Mas não o tire da caixa. Lembre-se de que não está a projetar a ideia de que a transportadora é uma caixa má.

Conduzir com o seu cão

Geralmente é uma boa ideia levar o sue cão numa transportadora quando fizer viagens de carro. Desta forma, estará menos distraído durante a condução, proporcionando mais condições de segurança para ambos. A transportadora também impede que seu o cão se torne num projétil se tiver de fazer uma travagem brusca, reduzindo assim as hipóteses de lesões para ambos.

Cuidado para não alimentar o seu cão com grandes quantidades de comida antes da viagem, uma vez que estão propensos a ficar enjoados durante a viagem. E não alimente o seu cão enquanto estiver de olhos postos na estrada. Espere até que haja uma pausa e lhe dar um pequeno lanche, de preferência rico em proteínas.

Também é bom gastar um pouco de tempo a caminhar durante uma pausa na estrada, para queimar alguma da energia acumulada pelo cão. E, claro, não deixe o seu cão num carro estacionado, especialmente quando está quente cá fora. Mesmo com a janela aberta, o carro pode rapidamente transformar-se num forno e o seu cão vai ficar desidratado.

Caso não queira usar transportadora, recomendamos que utilize um cinto de segurança para cães que, além de extremamente fáceis de usar, podem ser comprados nas lojas habituais de vendas de produtos para animais.

Levar o cão numa viagem de voo

 

A primeira coisa que precisa de fazer é verificar as regras relativas a viagens de animais de estimação da companhia aérea no qual tenciona viajar. A maior parte das companhias aéreas exigem um certificado de saúde do animal e podem ter outras regras que não pensou sequer que existissem e que o podem deixar surpreendido na altura de chegar ao aeroporto. Mas uma coisa é certa: o seu cão vai quase de certeza estar a viajar numa transportadora e provavelmente vai tornar a vida de todos mais fácil se o colocar na transportadora antes de chegar ao aeroporto.

Tal como acontece com viagens de carro, é inteligente não começar a viagem com o estômago ou bexiga cheia (cães devem jejuar pelo menos 6 horas antes da viagem) e fazer um passeio o mais perto da hora de partida quanto possível. No entanto, certifique-se de que o seu cão tem acesso a água – o suficiente para se manter hidratado, mas não cheio. Se o seu cão não viajar consigo na cabine principal, não faça uma grande cena de adeus: isso só o deixará mais perturbado. Se estiver calmo, ele também estará.

Medicar o cão?

Existe uma grande seleção de produtos farmacêuticos para fins veterinários e, como tal, pode ser tentador medicar o seu cão com um sedativo ou calmante para a viagem. No entanto, o treinador Cesar Millan não recomenda este tipo de tratamento, a não ser que tencione incluir a utilização deste tipo de fármacos na rotina do seu animal de estimação. Apenas em casos de emergência e muito extremos, em que não consegue controlar o seu amigo de quatro patas com a ajuda da voz ou linguagem corporal, é que se deve aconselhar com o seu veterinário acerca da utilização de fármacos.

Manter o cão calmo durante a viagem

Certifique-se de trazer a mantinha do seu cão, o seu brinquedo favorito ou qualquer outro adereço típico do seu dia-a-dia. Isso vai servir para manter o ambiente de familiaridade e para confortar e deixar o seu cão mais relaxado. Para manter um pouco mais de calma, tente esfregar um pouco de óleo de lavanda entre as mãos e massajar o seu animal de estimação. Uma massagem no início da coluna do seu cão ou na base da cabeça são excelentes formas de o acalmar.

Ficar num hotel com o seu cão

Tal como se sucede com o voo, faça uma pesquisa orientada para hotéis que aceitem animais de estimação. Felizmente, é raro encontrar hoje uma plataforma de reserva de hotéis que não conte com um filtro para encontrar todos os hotéis que aceitem cães. Desta forma, ao encontrar um hotel recetivo a cães, pode usufruir de uma estadia mais sossegada sem se preocupar com outros hospedes incomodados com latidos do cão ou outro tipo de situações que só quem tem amigos de quatro patas percebe.

Dê uma caminhada assim que chegar ao hotel

Um cão que fez exercício físico recentemente estará num estado mais relaxado durante qualquer viagem longa. É natural que o seu cão se mostre um pouco nervoso com novas pessoas, por exemplo, ou que lhes rosne. Isso não significa que esteja a ser agressivo, mas pode simbolizar sim que está assustado e que precisa de se sentir confiante. Se o afastar da nova pessoa, poderá estar ainda a indicar que algo de errado se está a passar e que vai ficar mais furiosa ainda. Novamente, procure ser calmo e assertivo.

Como entrar num quarto de hotel com um cão?

Deu a caminha? Então agora está pronto para ir para o seu quarto de hotel. Primeiro, mande o seu cão ficar onde está. Não o deixe vaguear pelo quarto ou assumirá o controlo da situação. Enquanto está a desfazer a mala, a tomar banho, ou a fazer chamadas telefónicas, o cão manter-se-á à espera. O único que se deve mover no ambiente é você – até que esteja pronto, a partir do qual poderá então iniciar a atividade. É importante que o seu cheiro esteja em toda parte antes do cão se instalar.

Não pode levar o seu cão consigo?

Então encontre um bom substituto. Uma pesquisa online referente à sua área de residência é capaz de lhe indicar os hotéis veterinários mais próximos. Investigue melhor essa opção, esclareça qualquer dúvida por e-mail ou telefone ou agende uma visita às instalações para confirmar se tem condições para receber o seu amigo de quatro patas. Claro está que isto exigirá que o seu cão tome algumas vacinas e siga algumas regras, mas a respeito disso será informado antes do check in.

Há ainda outras opções, como deixar o seu cão entregue a um amigo ou familiar, ou a alguém que esteja habituado a lidar com cães e esteja disposto a negociar consigo um determinado preço para receber o seu amiguinho durante uns dias. Alguns treinadores de cães, por exemplo, recebem também já animais para que os seus donos possam ir tranquilamente de férias. Aqui, a regra é só uma: investigar as soluções que existem perto de si.

 

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *