Home / Cidades /

Roma: como foi passar o Natal na capital italiana

Roma: como foi passar o Natal na capital italiana

 

Devemos caminhar para além das paixões, como uma grande obra de arte. E, nessa extraordinária harmonia, precisamos de aprender a amar-nos imensamente uns aos outros, para conseguirmos viver serenamente… fora do tempo.

La Dolce Vita (Federico Fellini) [tradução livre da autora]

Aterramos em Roma no dia 24 de Dezembro à tarde. “Fizemo-nos de imediato à estrada” para encontrar a casa que nos iria acolher durante a semana seguinte. Estávamos ansiosos por conhecer a cidade por isso queríamos pousar as malas, comer e ir conhecer o centro.

Esta foi a minha terceira visita a Itália mas a primeira a Roma e estava muito curiosa. Com Fellini, De Sica e outros cineastas que muito admiro, conheci uma Itália, e em particular uma Roma: fotogénica, misteriosa e boémia, onde me tencionava perder.

O plano: compreendo mais ao menos italiano mas para ganhar à vontade para me aventurar a (tentar) falar desafiei o meu irmão (que me acompanhava) para dizermos todas as palavras que sabíamos em italiano e tentar com isso começar conversas fluídas. Inicialmente as nossas conversas pareciam menus de restaurante absolutamente desconexos mas aos poucos a técnica funcionou e começamos a ficar mais à vontade para comunicar com a nossa hospedeira e restantes romanos (desde então uso sempre essa técnica: e, comigo, funciona!).

Encontramos o nosso apartamento e a nossa fantástica hospedeira: Paola, que nos mostrou o nosso quarto, casa de banho, cozinha e as coisas que tinha comprado para o nosso pequeno almoço. Como eu já tinha reparado quando preparava a viagem e comuniquei com a Paola através da Airbnb o inglês dela não era muito famoso, e nem o meu italiano… mas lá fomos conseguindo comunicar.

Antes de sairmos a Paola avisou-nos que em Roma era feriado dia 25 (dia de Natal) e também 26 de Dezembro (dia de Santo Stefano), e que praticamente tudo fechava, já que os italianos normalmente passavam esses dias em família, sendo que muitos saiam da cidade. Ela própria ia passar uns dias a casa da irmã, nos arredores de Roma.

Fomos almoçar e abastecer-nos de bens essenciais e comida no supermercado mais próximo para o caso de não encontrarmos restaurantes abertos nesses dias. Uma das vantagens de viajar com Airbnb é poder em Roma ser romano, ou seja, sair de manhã para ir ao mercado, comprar fresquinho ao produtor, preparar e comer.

Finalmente partimos em aventura pelo centro da cidade. O anoitecer, e as lojas já praticamente todas fechadas, fazia lembrar a madrugada num qualquer filme de Fellini. Que privilégio poder desfrutar deste cenário único: a cidade quase vazia e um ambiente mágico. De louvar também a meteorologia, que foi muito nossa amiga: o tempo esteve sempre abençoado com sol.

 

No dia 25 Dezembro de manhã acordamos cedo numa casa só para nós. Encontramos gattino Gesù (gatinho Jesus), “nas palhas deitado”. A gata repetiu várias vezes a façanha. Ia para cima da mesa onde estava montado o presépio pois gostava de se deitar em cima do musgo (os italianos fazem presépios maravilhosos!). Regalamo-nos com um pequeno almoço completíssimo e investimos num passeio pelo centro.

Pudemos apreciar o Colosseo, as ruínas do Fórum Romano, e outros pontos turísticos da cidade praticamente sozinhos: uma oportunidade rara, que lembrava a aurora no filme: “La Grande Bellezza” (A Grande Beleza), de Paolo Sorrentino (2013).

Uma das nossas autoimpostas missões era encontrar o melhor café de Roma. Revelou-se ser uma missão impossível mas penso que conseguimos eleger dois excelentes candidatos:

  • Caffè Sant’Eustachio, na praça homónima, onde é obrigatório provar o expresso e voltar para um cappuccino;
  • La Casa del Caffè Tazza d’ Oro, junto ao Panteão, onde é possível comprar café moído na hora e trazer para casa em vácuo para conservar todas as suas maravilhosas propriedades!

Encontramos um simpático Ristorante aberto, onde o meu almoço de Natal foi um dos meus pratos italianos preferidos: spaghetti aglio e olio (esparguete salteada em alho e azeite, normalmente bastante picante). Também a sobremesa: pannacotta (nata cozida) era incrível com a consistência e sabor perfeitos. Comemos sempre maravilhosamente bem e barato, graças aos conselhos do amigo Vítor.

Roma: Ah! La Dolce Vita

  • é obrigatório deambular sem destino pelas ruas do centro histórico de Roma, pois é incrível a sensação de encontrar verdadeiras “pérolas” por acidente: Piazza Navona, Fontana delle Tarterughe, o famoso tríptico de Caravaggio sobre S. Mateus, na Chiesa di San Luigi dei Francesi (Igreja de S. Luís dos Franceses), etc.;
  • beber um Negroni (gin+Campari+vermute) à l’ora d’aperitivo (happy hour ao estilo italiano): já nos tinham avisado para não perder este momento ao fim da tarde em que muitos bares oferecem verdadeiros banquetes a quem comprar uma bebida;
  • apreciar um gelato pasmando em frente ao Panteão – para não dar tanto nas vistas pelo facto de estarmos de “boca aberta”;
  • comer uma Pizza – com as mãos, na Pizzeria del Leoncino;
  • admirar a arquitetura em TRIDENTE: percorrer as ruas, encontrar a Piazza di Spagna, ver as montras, entrar para contemplar o Caffè Greco;
  • em TESTACCIO: Visitar, pela manhã, o Mercato di Testaccio: para quem gosta de ver montras de comida os mercados romanos são belíssimos. Há de tudo, somos abordados pelos feirantes e convidados a degustar. Propõem ainda que levemos estas iguarias para casa em vácuo;
  • almoçar e fazer compras na Città dell’Altra Economia (Cidade da Outra Economia): no mesmo local encontramos um mercado justo e biológico, com tudo o que se pode querer e um restaurante maravilhoso – é mesmo difícil de eleger mas penso que esta foi a nossa melhor refeição – e ainda uma loja com belíssimos artigos de designers locais, confecionados apenas com materiais ecológicos;
  • concluir as compras na casa Volpetti, onde é possível encontrar tudo aquilo que um ser humano pode precisar: queijo, pão fresquinho, prociutto, azeitonas, torrão, etc.;
  • em TRASTEVERE não perder: a Libreria del Cinema – um espaço único para os amantes do cinema em que se pode conversar sobre filmes, ler revistas, comprar filmes e livros sobre cinema, enquanto se bebe um copo de vino rosso (vinho tinto); o melhor gelato: cacau, na gelataria biológica; e para finalizar o dia em grande jantar Cacio e pepe, esparguete com queijo pecorino romano e pimenta, a especialidade do icónico restaurante: Roma Sparita;
  • não há palavras para descrever os Museus do Vaticano: imperdível!

Em jeito de conclusão é de referir que em Roma há de tudo para todos os gostos, mas o mais incrível para mim foi a quantidade de surpresas constantes, como por exemplo, descobrir acidentalmente a “mãe de todas as igrejas”, a Basilica di San Giovanni in Laterano, a caminho de casa.

Faltou a visita a Cinecittà (Cidade do Cinema) e a Pietà (Piedade – uma das mais famosas esculturas feitas por Michelangelo, que se encontra na Basílica de São Pedro), o que para mim é uma desculpa boa o suficiente para voltar a Roma! De qualquer modo fizemos o que manda a cultura popular e atiramos uma moeda para a Fontana de Trevi, o que supostamente garante o retorno a Roma.

CLIQUE AQUI e confira também agora a nossa página com uma lista imperdível de PROMOÇÕES DE VIAGENS!

 

Partilhe este artigo

Comentário

  • JULIE
    19 April, 2017

    Obrigada pelas dicas!
    Os pontos turisticos estavam abertos no dia 25 e 26/12? Estou programando uma viagem, mas com receio de não conhecer os lugares e os melhores restaurrantes.
    Obrigada!

    • Marta Reis
      Marta Reis
      10 May, 2017

      Julie, espero que a informação seja útil. Os italianos levam o Natal e feriados muito a sério mas embora alguns monumentos estivessem fechados: Roma é um museu a céu aberto! Há sempre MUITA coisa para ver e fazer: arquitetura, igrejas, presépios, mercados de natal, restaurantes, iguarias natalícias, … a lista não termina!

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *