Home / Cidades /

Roma: como foi passar o Natal na capital italiana

roma

Roma: como foi passar o Natal na capital italiana

Marta Reis
by Marta Reis

Share this article

Devemos caminhar para além das paixões, como uma grande obra de arte. E, nessa extraordinária harmonia, precisamos de aprender a amar-nos imensamente uns aos outros, para conseguirmos viver serenamente… fora do tempo.

La Dolce Vita (Federico Fellini) [tradução livre da autora]

Aterramos em Roma no dia 24 de Dezembro à tarde. “Fizemo-nos de imediato à estrada” para encontrar a casa que nos iria acolher durante a semana seguinte. Estávamos ansiosos por conhecer a cidade por isso queríamos pousar as malas, comer e ir conhecer o centro.

Esta foi a minha terceira visita a Itália mas a primeira a Roma e estava muito curiosa. Com Fellini, De Sica e outros cineastas que muito admiro, conheci uma Itália, e em particular uma Roma: fotogénica, misteriosa e boémia, onde me tencionava perder.

O plano: compreendo mais ao menos italiano mas para ganhar à vontade para me aventurar a (tentar) falar desafiei o meu irmão (que me acompanhava) para dizermos todas as palavras que sabíamos em italiano e tentar com isso começar conversas fluídas. Inicialmente as nossas conversas pareciam menus de restaurante absolutamente desconexos mas aos poucos a técnica funcionou e começamos a ficar mais à vontade para comunicar com a nossa hospedeira e restantes romanos (desde então uso sempre essa técnica: e, comigo, funciona!).

Encontramos o nosso apartamento e a nossa fantástica hospedeira: Paola, que nos mostrou o nosso quarto, casa de banho, cozinha e as coisas que tinha comprado para o nosso pequeno almoço. Como eu já tinha reparado quando preparava a viagem e comuniquei com a Paola através da Airbnb o inglês dela não era muito famoso, e nem o meu italiano… mas lá fomos conseguindo comunicar.

Antes de sairmos a Paola avisou-nos que em Roma era feriado dia 25 (dia de Natal) e também 26 de Dezembro (dia de Santo Stefano), e que praticamente tudo fechava, já que os italianos normalmente passavam esses dias em família, sendo que muitos saiam da cidade. Ela própria ia passar uns dias a casa da irmã, nos arredores de Roma.

Fomos almoçar e abastecer-nos de bens essenciais e comida no supermercado mais próximo para o caso de não encontrarmos restaurantes abertos nesses dias. Uma das vantagens de viajar com Airbnb é poder em Roma ser romano, ou seja, sair de manhã para ir ao mercado, comprar fresquinho ao produtor, preparar e comer.

Finalmente partimos em aventura pelo centro da cidade. O anoitecer, e as lojas já praticamente todas fechadas, fazia lembrar a madrugada num qualquer filme de Fellini. Que privilégio poder desfrutar deste cenário único: a cidade quase vazia e um ambiente mágico. De louvar também a meteorologia, que foi muito nossa amiga: o tempo esteve sempre abençoado com sol.

No dia 25 Dezembro de manhã acordamos cedo numa casa só para nós. Encontramos gattino Gesù (gatinho Jesus), “nas palhas deitado”. A gata repetiu várias vezes a façanha. Ia para cima da mesa onde estava montado o presépio pois gostava de se deitar em cima do musgo (os italianos fazem presépios maravilhosos!). Regalamo-nos com um pequeno almoço completíssimo e investimos num passeio pelo centro.

Pudemos apreciar o Colosseo, as ruínas do Fórum Romano, e outros pontos turísticos da cidade praticamente sozinhos: uma oportunidade rara, que lembrava a aurora no filme: “La Grande Bellezza” (A Grande Beleza), de Paolo Sorrentino (2013).

Uma das nossas autoimpostas missões era encontrar o melhor café de Roma. Revelou-se ser uma missão impossível mas penso que conseguimos eleger dois excelentes candidatos:

  • Caffè Sant’Eustachio, na praça homónima, onde é obrigatório provar o café espresso e voltar para um cappuccino;
  • La Casa del Caffè Tazza d’ Oro, junto ao Panteão, onde é possível comprar café moído na hora e trazer para casa em vácuo para conservar todas as suas maravilhosas propriedades!

Encontramos um simpático Ristorante aberto, onde o meu almoço de Natal foi um dos meus pratos italianos preferidos: spaghetti aglio e olio (esparguete salteada em alho e azeite, normalmente bastante picante). Também a sobremesa: pannacotta (nata cozida) era incrível com a consistência e sabor perfeitos. Comemos sempre maravilhosamente bem e barato, graças aos conselhos do amigo Vítor.

Roma: Ah! La Dolce Vita

  • é obrigatório deambular sem destino pelas ruas do centro histórico de Roma, pois é incrível a sensação de encontrar verdadeiras “pérolas” por acidente: Piazza Navona, Fontana delle Tarterughe, o famoso tríptico de Caravaggio sobre S. Mateus, na Chiesa di San Luigi dei Francesi (Igreja de S. Luís dos Franceses), etc.;
  • beber um Negroni (gin+Campari+vermute) à l’ora d’aperitivo (happy hour ao estilo italiano): já nos tinham avisado para não perder este momento ao fim da tarde em que muitos bares oferecem verdadeiros banquetes a quem comprar uma bebida;
  • apreciar um gelato pasmando em frente ao Panteão – para não dar tanto nas vistas pelo facto de estarmos de “boca aberta”;
  • comer uma Pizza – com as mãos, na Pizzeria del Leoncino;
  • admirar a arquitetura em TRIDENTE: percorrer as ruas, encontrar a Piazza di Spagna, ver as montras, entrar para contemplar o Caffè Greco;
  • em TESTACCIO: Visitar, pela manhã, o Mercato di Testaccio: para quem gosta de ver montras de comida os mercados romanos são belíssimos. Há de tudo, somos abordados pelos feirantes e convidados a degustar. Propõem ainda que levemos estas iguarias para casa em vácuo;
  • almoçar e fazer compras na Città dell’Altra Economia (Cidade da Outra Economia): no mesmo local encontramos um mercado justo e biológico, com tudo o que se pode querer e um restaurante maravilhoso – é mesmo difícil de eleger mas penso que esta foi a nossa melhor refeição – e ainda uma loja com belíssimos artigos de designers locais, confecionados apenas com materiais ecológicos;
  • concluir as compras na casa Volpetti, onde é possível encontrar tudo aquilo que um ser humano pode precisar: queijo, pão fresquinho, prociutto, azeitonas, torrão, etc.;
  • em TRASTEVERE não perder: a Libreria del Cinema – um espaço único para os amantes do cinema em que se pode conversar sobre filmes, ler revistas, comprar filmes e livros sobre cinema, enquanto se bebe um copo de vino rosso (vinho tinto); o melhor gelato: cacau, na gelataria biológica; e para finalizar o dia em grande jantar Cacio e pepe, esparguete com queijo pecorino romano e pimenta, a especialidade do icónico restaurante: Roma Sparita;
  • não há palavras para descrever os Museus do Vaticano: imperdível!

Em jeito de conclusão é de referir que em Roma há de tudo para todos os gostos, mas o mais incrível para mim foi a quantidade de surpresas constantes, como por exemplo, descobrir acidentalmente a “mãe de todas as igrejas”, a Basilica di San Giovanni in Laterano, a caminho de casa.

Faltou a visita a Cinecittà (Cidade do Cinema) e a Pietà (Piedade – uma das mais famosas esculturas feitas por Michelangelo, que se encontra na Basílica de São Pedro), o que para mim é uma desculpa boa o suficiente para voltar a Roma! De qualquer modo fizemos o que manda a cultura popular e atiramos uma moeda para a Fontana de Trevi, o que supostamente garante o retorno a Roma.

CLIQUE AQUI e confira também agora a nossa página com uma lista imperdível de PROMOÇÕES DE VIAGENS!

POSTS RELACIONADOS

 

Share this article

Comments

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *