Home / Ciência e Tecnologia /

Sabe qual a idade da Lua, o único satélite natural da Terra?

lua

Sabe qual a idade da Lua, o único satélite natural da Terra?

Basta sairmos de casa de noite, ou estarmos atento durante o dia, para repararmos que muito acima de nós está a constante presença da lua: o único satélite natural em órbita à volta do nosso planeta. Na escola, aprendemos muito sobre este astro: que descreve órbitas em redor da Terra que demoram cerca de 28 dias, que a distância média em que se encontra da superfície terrestre é de 384 mil quilómetros e que o Homem a pisou em 1969.

No entanto, há muitos outros detalhes que não sabemos acerca da lua, pequenas curiosidades que são fascinantes e podem contribuir para a nossa própria cultura. Se tem um interesse especial por ciência e astronomia, então convidamo-lo a ler os próximos parágrafos porque vamos partilhar um dos segredos mais escondidos da Lua: a sua idade.

De acordo com uma nova análise às rochas lunares trazidas à Terra pelos astronautas da Apollo 11 – missão espacial que alcançou a Lua a 20 de julho de 1969 –  a lua formou-se há cerca de 4,51 mil milhões de anos, ou seja, com “apenas” uma margem de diferença de 60 milhões de anos depois da formação do sistema solar.

O valor vem ao encontro de conclusões extraídas de investigações anteriores. Ao longo dos últimos anos, inúmeros especialistas têm procurado descodificar o mais variado tipo de segredos da Lua, apresentando estimativas semelhantes quanto à idade. Mas nem sempre existiu concordância na comunidade científica: um grupo de especialistas continua a defender que a lua é mais nova, tendo o seu nascimento ocorrido entre 150 a 200 milhões de anos após o nascimento do sistema solar.

A nova descoberta, publicado a 11 de janeiro deste ano na revista Science Advances, tenta pôr de vez um fim a este debate. “Temos a certeza de que esta idade é muito, muito certa”, disse Melanie Barboni, coordenadora da investigação que teve lugar no Departamento de Ciências da Terra, Planeta e Ciências Espaciais da UCLA, nos EUA.

Os astrónomos acreditam que a lua nasceu depois de um corpo celeste do tamanho de Marte (ou uma série de objetos da mesma dimensão) ter chocado contra a Terra. Parte do material explodido no espaço aglomerou-se para dar forma ao astro mais próximo da Terra.

Mesmo assim, continua a ser difícil determinar exatamente quando tal impacto ou impactos ocorreram As rochas recolhidas pelos astronautas da Apollo 11 indicam isto mesmo, uma vez que são compostas de diferentes tipos de rochas esmagadas por ataques de meteoritos, um fenómeno muito comum na superfície lunar.

Dada a dificuldade em aceder a rochas antigas da lua, Barboni e a sua equipa decidiram tomar um rumo de investigação diferente. Em vez de procederem ao estudo de rochas inteiras, na esperança de que determinassem a data de nascimento da lua,  os investigadores procuraram datar a formação da crosta lunar.

A investigação apurou ainda que a diferenciação nas rochas se deu pouco depois do impacto gigante, numa altura em que um oceano global de magma líquido presente na lua arrefeceu e solidificou, deixando para trás como sinal um mineral chamado zircão.

Os investigadores estudaram então fragmentos de zircão em rochas recolhidas durante a missão Apollo 14 em 1971. A equipa datou radiométricamente as amostras, medindo quanto do seu urânio tinha decaído em chumbo, e como seu hafnium tinha decaído em vários “isótopos”.

Os investigadores concluem assim que os fragmentos de zircão são de facto primitivos e antigos, datando à solidificação do oceano magmático. Os investigadores também conseguiram corrigir a influência dos impactos de raios cósmicos galácticos, o que pode complicar as tentativas de datação por injeção de neutrões em amostras.

Tudo isto permitiu então a formulação de uma nova hipótese relativa à idade da Terra: 4,51 mil milhões de anos é a nova estimativa, com uma margem de mais ou menos 10 milhões de anos. A idade avançada da lua também faz sentido do ponto de vista da dinâmica, especialmente se a teoria dos impactos gigantes estiver correta.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *