Home / Dicas de Viagens /

E agora… 10 restaurantes requintados para jantares especiais em Portugal

restaurantes requintados

E agora… 10 restaurantes requintados para jantares especiais em Portugal

 

Procura uma boa mesa para um jantar especial? Em Portugal, de Norte a Sul, não faltam alternativas gastronómicas a merecer a sua visita. Com pratos preparados por alguns dos melhores chefs da cozinha portuguesa, estes espaços conciliam o sabor da refeição com a atmosfera requintada do restaurante, elevando assim um mero momento ao patamar da perfeição.

Não é propriamente fácil listar aqueles que são os espaços mais requintados do nosso país. Por essa mesma razão, e uma vez que ainda não nos conseguimos sentar em cada uma destas mesas, decidimos procurar ajuda de quem sabe. Orientados por um artigo publicado pela revista Visão, listamos ao longo dos próximos parágrafos alguns dos restaurantes mais requintados de Portugal, compilando algumas informações sobre os mesmos.

Avisamos desde já que os restaurantes requintados que figuram nesta lista são conhecidos pelos seus pratos fabulosos, mas também pelos seus preços acima da média. Poderá encontrar diferentes preços, que melhor se ajustem ao seu orçamento… mas uma coisa podemos assegurar: seja qual for o valor que pagar, temos a certeza que sairá satisfeito de qualquer um destes restaurantes. Sem mais delongas, apresentamos a nossa lista.

10 restaurantes requintados para jantares especiais em Portugal

Fortaleza do Guincho

É no Hotel Fortaleza do Guincho, na Estrada do Guincho, em Cascais, que podemos encontrar um dos restaurantes mais requintados do nosso país. Basta vermos as fotografias para percebermos o luxo das instalações situadas numa fortaleza seiscentista que serve hoje como  hotel de luxo. A sala do restaurante está voltada para o mar, o que por si só proporciona uma atmosfera refrescante e acolhedora. No entanto, mal os pratos entram a magia acontece à mesa. Baseado em cozinha internacional, o restaurante da Fortaleza do Guincho faz questão de incluir nos seus pratos influências portuguesas, do qual fazem parte peixes, mariscos, legumes e frutos de qualidade excecional. Toda a concepção está a cargo do chef Vincent Farges. Com vinhos provenientes de uma garrafeira variada, reúne todos os ingredientes para uma refeição inesquecível. O preço médio de uma refeição neste restaurante é de 75 euros.

Gião

Vamos até ao Minho agora. É em Moreira de Cónegos, numa casa atípica que tem instalações fabris como pano de fundo, que surge o restaurante Gião. Com um chefe de cozinha que se intitula de autodidata, este espaço é atualmente reconhecido como um marco na gastronomia portuguesa contemporânea. O chef Pedro Nunes baseia a a sua cozinha em três pilares essenciais dos quais variam os seus pratos: produtos de grande qualidade, técnicas culinárias de vanguarda e sabores portugueses. Qualquer cliente poderá deliciar-se aqui com um prato de tripas, sardinhas fumadas, bacalhau no tacho ou até mesmo opções mais tradicionais como açorda de perdiz e cabrito assado. A garrafeira não podia faltar, claro, regando todos os pratos com alguns dos melhores vinhos nacionais. O preço médio por refeição é de 35 euros.

Arcadas da Capela

A história de Portugal foi feita aqui, ou menos menos uma das maiores lendas de amor. É na Quinta das Lágrimas, o cenário dos amores de Pedro e Inês, onde podemos encontrar o restaurante Arcadas da Capela. À base de produtos frescos de qualidade, o restaurante é coordenado pelo chef Albano Lourenço que nos seus pratos inclui ainda uma variedade de ervas, plantas e frutos de produção biológica ou selvagens que crescem na quinta. Trata-se de uma cozinha contemporânea, criativa, mas com profundas raízes à cultura regional, sendo assim capaz de deliciar qualquer um com uma experiência gastronómica de qualidade. Para quem quiser provar de tudo um pouco, o menu de degustação é a melhor opção. O preço médio é de 60 euros.

Feitoria

Entretanto, para quem está mais no Sul, é na margem do Tejo, pertinho da Doca do Bom Sucesso, que se encontra o Feitoria. Parte do Altis Belém Hotel, este restaurante discreto, instalado do lado oposto ao rio, proporciona um espaço amplo, elegante e confortável que se torna mais especial ainda graças à cozinha profundamente portuguesa mas adaptada aos dias de hoje.  Basta um olhar à emente para ser levado numa viagem aos sabores tradicionais de Portugal, com pratos como rodovalho, que mistura camarão e lulas numa caldeirada saborosa ou a pá de cabrito de leite com legumes da época glaceados, molejas e broa de milho, e os menus de degustação que permitem provar os melhores pratos do chefe João Rodrigues. O preço médio por refeição é 60 euros.

Cozinha da Terra

 

Regressemos ao Norte, agora com um desvio a Louredo, em Paredes. A Cozinha da Terra presta também homenagem à cozinha tradicional portuguesa e logo a começar pelo espaço. Situado numa casa antiga em ambiente rural, decoração rústica, forno a lenha, produtos da região e até mesmo ervas do quintal, o Cozinha da Terra proporciona qualidade dos produtos e da arte de os combinar e cozinhar. É quase tão agradável ver e sentir o ambiente como saborear a bola de carnes, o bacalhau no pão, o arroz de pato, o galo na caçarola, a vitela e o cabritinho assados, a doçaria, que são mimos para o paladar. O preço médio é de 35 euros.

Flor de Sal

É num lugar incrível, mesmo junto da ponte do rio Tua, no centro de Mirandela, que nos cruzamos com o Flor de Sal. Perante as águas do rio, somos encantados por uma sala moderna com design distinto. Entretanto, enquanto esperamos na atmosfera agradável, os pratos delicados e saborosos são preparados na cozinha tecnicamente evoluída. Graças à ementa extensa sairá reconfortado deste espaço e com vontade de regressar: delicie-se com o tronco de alheira com molho de vinho do Porto e mescla de alfaces, o bacalhau assado, lascado com migas de pão de trigo e pasta de azeitona, a posta de vitela do planalto em torrada de azeite de Trás-os-Montes e o pudim azeitado em cremoso de azeitona e gelado de azeite. O preço médio é de 35 euros.

Belcanto

Espaço dedicado à arte culinária, onde cada prato é um hino à cozinha inspirada nos sabores tradicionais portugueses, mas com elaboração e apresentação contemporâneas. Respeitando a traça original do anterior Belcanto, que foi um clássico da restauração lisboeta, tem duas salas confortáveis com a cozinha de permeio, onde se pode observar o labor da equipa liderada pelo chefe José Avillez. Em jeito de homenagem, foram preservados alguns clássicos da antiga ementa. Mas o êxito do Belcanto deve-se à cozinha de José Avillez que, na esteira de Ferran Adrià, visa interpelar todos os sentidos, despertar emoções, surpreender, divertir. Consegue tudo isso e com tal sucesso que não se liberta de algumas dessas criações, como A Horta da Galinha dos Ovos de Ouro, a Paisagem Alentejana, o Mergulho no Mar e O Cubismo da Vitela, por exemplo. Indispensável conhecer o menu de degustação e o da estação. Muito boa garrafeira. Serviço excelente. Uma estrela brilhante. O preço médio é de 95 euros.

Eleven 

O restaurante Eleven fica no alto do Parque Eduardo VII a contemplar Lisboa e o Tejo. Surpreende, primeiro com a arquitetura moderna e minimalista do exterior, depois com a discreta sofisticação do interior, totalmente aberto para a cidade. O conceito gastronómico caracteriza-se pela utilização de ingredientes do mercado e pela recriação de pratos tradicionais, na linha de pensamento e de ação do chefe Joachim Koerper. A fórmula é simples: utilizar produtos naturais e frescos com criatividade e arte. Os sabores reconhecem-se facilmente, são autênticos. A técnica atinge a perfeição. E a designação singela dos pratos facilita as escolhas: cataplana de lavagante com raviólis de cogumelos silvestres e molho de crustáceos, robalo com sinfonia de boletos, cachaço de porco preto com Miso, cremoso de cevada, espargos verdes e molho de laranja, creme brulée de arroz doce com sorvete de marmelo assado, coisas assim. Excelente garrafeira. Serviço eficiente. Uma estrela que reluz. O preço médio é de 70 euros.

The Yeatman

Com a vista espetacular do rio Douro e da cidade do Porto, que é um bálsamo para a alma, e a cozinha do chefe Ricardo Costa, que conforta o corpo, o restaurante The Yeatman reconcilia-nos com a vida. A sala luminosa e o ambiente de charme predispõem para momentos especiais como os que a cozinha criativa, sofisticada, de grande perfeição técnica e estética sempre proporciona. Além do serviço à carta, onde há alguns ingredientes de que o chefe não abdica, como o lavagante azul ou o leitão de porco bísaro, destacam-se os menus de degustação (7 pratos, €105) e expresso ao almoço de segunda a sexta-feira (entrada, prato, sobremesa e copo de vinho, €38). Excelente doçaria. Garrafeira excecional. Uma estrela ascendente. O preço médio é de 120 euros.

Cafeína

O Cafeína está na moda desde que abriu, já lá vão muitos anos. Tornou-se ponto de encontro, referência, lugar de eleição para estar e comer bem. Beneficia da localização privilegiada, na Foz, perto do mar, do espaço moderno e cosmopolita, do ambiente animado que a iluminação e a música propiciam, e, sobretudo, da cozinha de tipo internacional com múltiplas influências, incluindo a portuguesa. Além da originalidade, tem bons produtos, boa culinária e boa apresentação. Alguns pratos já são clássicos, como a sopa folhada de mexilhões e açafrão, o camarão-tigre flamejado e o filet mignon de porco preto com canelloni de alheira e trigo. Muito boa garrafeira. Serviço diligente e simpático. O preço médio é de 35 euros.

 

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *