Home / Ásia /

Maldivas: a Flor das Índias e as suas mil pétalas

Maldivas: a Flor das Índias e as suas mil pétalas

 

A claridade e transparência que oferecem as águas das Maldivas possibilitam-lhe observar uma infinita parte da fauna marinha, nomeadamente as mantas-raias, as tartarugas, os crustáceos, os tubarões e milhares de peças coloridas.

Tudo isto pode ver visto desde a própria costa de algumas das suas maravilhosas praias ou proporcionar os melhores motivos para se atrever a praticar mergulho. Se tem interesse pelo universo subaquático então fique a saber que este é um local de visita obrigatória.

Colocar aqui um mapa que nos permita perceber a extensão das Maldivas é quase impossível. As ilhas, tão minúsculas, são totalmente absorvidas pelo azul que demarca o Oceano Índico. Ainda assim, no mapa apresentado abaixo, está demarcado o espaço ocupado pelas ilhas.

Dentro daquele rectângulo vermelho cabem 1196 ilhas (das quais apenas 203 estão povoadas), agrupadas em 26 atóis geográficos e 20 atóis administrativos e com uma população de cerca de 263 mil habitantes. Marco Polo, na sua passagem por este arquipélago, chamou às Maldivas a “Flor das Índias”.

Maldivas: o que ver?

Relembrando uma espécie de cidade flutuante no meio do oceano Índico, recomendamos a quem passar pelas Maldivas que dê um salto a Malé, a capital da República das Maldivas, localizada no atol administrativo de Kaafu.

Vai encontrar, no meio do casario, parques e mesquitas da capital, uma série de lugares muito interessantes para visitar como, por exemplo, o centro islâmico, no qual ficará a conhecer um pouco mais sobre esta cultura, e o museu nacional, onde poderá assistir a uma exposição permanente que conta a história desta formosa ilha.

Mesmo colonizadas por uma raça Indo-Aryan, nos séculos IV e V a.C., os historiadores defendem que os habitantes das ilhas Maldivas são provenientes do Sri Lanka, com o hábito de praticar rituais budistas. A passagem para o islamismo teve lugar no ano de 1153.

 

As Maldivas sempre existiram como território independente, exceto durante o século XVI, em que num período de 15 anos foram governadas pelos portugueses. Em 1887, tornaram-se um protetorado da Grã-Bretanha, a qual não interferiu em nada nos assuntos internos do território.

Entretanto, recuperaram a plena soberania, em 1965, e três anos depois o seu regime político passou de Sultanato para República.

Maldivas: o que comer?

Repletas de tradições e história, a gastronomia das Maldivas são o espelho disso mesmo. Tudo indica que os segredos da comida destas ilhas vêm de há muito tempo e que misturam experiências de sabores trazidos das arábias, das áfricas e do ceilão. Os pratos de peixe e arroz abundam em toda a região.

A cor é uma constante, os mercados são de uma riqueza visual impressionante, as intermináveis e desertas praias de areia branca, as exuberantes palmeiras, tudo isto a juntar a uma população acolhedora e simpática que tem o maior prazer em receber os quem visita as ilhas.

 

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *