Home / Dicas de Viagens /

Highclere Castle: como é visitar a verdadeira Downton Abbey?

Highclere Castle: como é visitar a verdadeira Downton Abbey?

 

A série Downton Abbey estava a terminar a sua segunda temporada quando decidi experimentar o primeiro episódio. Cerca de oito horas depois, tinha visto a primeira temporada do início ao fim e sido absorvido pelos dramas, romances e vidas das personagens desta série de Julian Fellowes. Mais do que mostrar o dia-a-dia de uma família aristocrata no início do século XX, a série faz o seu melhor para representar o mundo dos criados e a forma como upstairs e downstairs se relacionam entre si.

À medida que os anos foram passando e os episódios saindo, a minha paixão por Downton Abbey foi-se manifestando sobre o mais variado tipo de formas. Além de ter revisto cada episódio da série pelo menos três vezes, organizei uma festa de aniversário à “moda” de Downton Abbey, cheguei a mascarar-me à época pela altura do Carnaval, comprei os DVDs de cada temporada e até alguns livros relacionados. Parecia só estar a faltar uma coisa: uma visita a Highclere Castle.

Todos os fãs da série sabem que Highclere Castle é o castelo que dá vida à residência dos Crawley. Esta casa, com um estilo Jacobethan, é atualmente propriedade do 8.º Conde de Carnavon, que se tem esforçado para preservar o património da família. O êxito televisivo veio sem dúvida ajudar a sustentar as despesas que é manter uma casa desta dimensão em pleno século XXI. Isso e abrir as portas ao público.

Nos últimos anos, Highclere Castle costuma abrir ao público na época alta, ou seja, nos meses de verão, em que os atores e equipas de filmagem não estão no castelo para gravar uma nova temporada. Porém, ao longo do ano, a casa abre esporadicamente. Poucas horas depois de anunciarem uma data no site os bilhetes esgotam.

Felizmente, por intermédio de uma prima que vive no Reino Unido, soubemos que a casa ia abrir no dia 14 de novembro. Sem pensar duas vezes, disse que queria ir. E foi assim que, semanas depois, apanhei um voo para Londres com a minha mãe e fui visitar a “verdadeira” Downton Abbey.

Highclere Castle: o que vimos antes da visita

Quando o táxi virou para uma propriedade que apontava para Highclere Castle, julguei que ia ver o castelo imediatamente. Fascinado, constatei que estava errado. O táxi demorou alguns minutos a atravessar um bosque e vários campos verdes. Fora alguns animais que vimos pelo caminho, não encontramos mais ninguém. Do nada, surge então Highclere Castle por entre árvores. Estava mesmo ali. O castelo era tal e qual como aparece na série. Pelo menos por fora.

O mesmo portão com as efígies em cada coluna, o mesmo caminho até à emblemática porta da casa, o mesmo banco debaixo da árvore onde acompanhamos tantas cenas na série. Munido de máquina fotográfica, tirei de imediato fotografias ao que via.

Uma vez que ainda faltava cerca de meia hora para começar a nossa visita (marcamos para a visita da tarde, com início às 13h30 e fim às 16h30, embora tenha acabado perto das 15h30) demos um saltinho à loja. Aqui é possível encontrar uma série de produtos relacionados com a série televisiva e com Highclere Castle, desde os habituais porta-chaves e postais até chás requintados, livros e chapéus. Aproveitei para comprar um livro biográfico sobre a 6.ª Condessa de Caranavon, escrito e autografado pela atual condessa.

Ainda antes de entrarmos para iniciar a nossa visita, detive-me pelos jardins. Por essa altura, caía uma chuva miudinha e fria que não facilitou a minha tarefa. Entre as muitas fotografias que tirei à casa, há uma engraçada que gostaria de partilhar.

Como disse a minha prima, parece que o Carson, o mordomo de Downton Abbey, anda a falhar na supervisão da limpeza!

Após várias fotografias no famoso banco debaixo da árvore, dei uma corrida pelos campos verdes de Highclere Castle para ir até ao Jackdaw’s Castle – um palacete muito pequeno, em ruínas – e daí fotografar a casa.

Por fim, esperando manter a minha pontualidade britânica, dirigi-me à porta principal da casa alguns minutos antes da hora marcada e entrei no mundo de Downton Abbey. Infelizmente, não é permitido tirar fotografias no interior da casa. Todos os meus relatos que se seguirem sairão puramente daquilo que me lembro. As fotografias utilizadas do interior são creditadas ao site oficial de Highclere Castle.

Downton Abbey: os quartos

Enquanto esperávamos que todos os visitantes chegassem – éramos cerca de 60, mais ou menos – reunimo-nos no Salão, o hall das escadarias de Highclere Castle. Os fãs da série sabem que este é um dos espaços mais conhecidos da série: é aqui que se encontram frequentemente algumas personagens, onde há interações entre criados e a família e onde se organizam até danças. Neste minutos enquanto esperávamos, podemos apreciar cada detalhe com curiosidade.

O teto alto, a galeria no andar superior, a mobília, as fotografias da verdadeira família Carnavon, as escadarias, as lareiras. Enfim, tudo o que estivesse ao alcance do nosso olhar. Entretanto, um par de senhoras – algo embaraçadas e aos risinhos – começou a subir as escadas que todos queriam subir. Primeiro, ninguém estava a perceber a ousadia daquelas visitantes. Só depois constatamos que, para irem à casa de banho, as mulheres tinham realmente de subir as escadarias e ir a um dos aposentos mobilado de forma tão requintada! Os homens, infelizmente, tinham uma casa-de-de-banho cá em baixo desprovida de glamour.

Não muito depois da hora marcada, as portas da casa fecharam e os visitantes foram divididos em três grupos. Enquanto uns começavam a visita pela sala de jantar, outros dirigiram-se para a biblioteca e o terceiro grupo para o andar de cima. Foi exatamente por aí que comecei.

Ver os quartos de perto torna, uma vez mais, tudo real. Em Highclere Castle é possível ver as divisões usadas para o quarto de Lady Sybil (que fica mesmo por cima da porta da casa), o quarto de Lady Edith, o quarto vermelho onde morreu Mr. Pamuk e o quarto de Cora na primeira e segunda temporada. E os outros, estão vocês a perguntar? Os outros ficam em estúdios.

Este era um detalhe qu desconhecia. Embora soubesse que toda a área dos criados e cozinha estavam montadas em estúdios no centro de Londres, não esperava que espaços como o  quarto de Lady Mary, por exemplo, não existissem realmente. A nossa guia explicou-nos, no entanto, que é usada uma “porta” para dar a entender que é aí o quarto de Lady Mary. Fora isso, é tudo em estúdio.

 

A vista das janelas é absolutamente incrível. Só se veem os mesmos campos verdes por onde tinha passado de táxi. Quem não gostaria de acordar com uma visão destas? Além de constatar que cada quarto tinha uma lareira privada, reparei também que estava tudo preparado para receber convidados. Em cima dos toucadores havia, por exemplo, um secador pronto a ser utilizado assim como vários livros – livros atuais, não como aqueles que encontramos na famosa biblioteca – ali postos para entretenimento do visitante.

Ao terminarmos de dar uma volta à galeria, vendo cada um dos quartos assim como fotografias da família e recortes históricos de jornais – um deles, reparei, relativo à abdicação do rei Edward VIII – descemos as escadarias (sim, descemos mesmo!) e continuamos a nossa visita pela sala de jantar.

Highclere Castle: a sala de jantar, a biblioteca e outras salas

A Sala de Jantar, com gigantescos retratos de antepassados da família e de membros da realeza, é o local onde acontecem muitos dos momentos tensos da série. Entre garfadas e travessas de prata têm lugar acesas discussões e, na sexta temporada, até mesmo um momento bastante sangrento. Incrivelmente, a nossa guia contou-nos que a sala continua a ser utilizada regularmente.

No dia anterior, por exemplo, tinha acontecido ali um jantar com mais de vinte pessoas. Se havia sinal desse jantar? Nem um. Estava tudo impecavelmente limpo e arrumado.

A Biblioteca foi a sala para onde passamos a seguir. Uma vez mais, estava tudo tal e qual como vemos na série… à excepção de um detalhe em que reparei logo. A mesma secretária utilizada por Robert, que se encontra junto à janela, estava na verdade do outro lado da sala. Como nos explicou a nossa guia, tal decisão foi tomada por uma questão de iluminação.

Através de uma porta secreta, escondida atrás de uma estante falsa, deixamos a biblioteca para a Sala de Música. A Sala de Música foi utilizada poucas vezes na série. Se a minha memória não me falha, recordo-me que foi nesta sala que o Mr. Pamuk arrastou Lady Mary, após um jantar, para lhe dar um beijo e declarar os seus sentimentos. De notar que, aqui, encontramos uma secretária que pertenceu ao Napoleão Bonaporte nos últimos anos da sua vida.

Da Sala de Música passamos então para a Drawing Room, aquela que conhecemos como Sala de Estar e para onde a família Crawley se costuma retirar após jantar. Neste espaço, que é quase idêntico àquele que vemos na série, notei em dois detalhes que gostava de apontar: o primeiro refere-se às molduras de dois retratos na parede, feitos apenas com conchas pintadas a dourado; o segundo, é uma caixa antiga para guardar chá, que se assemelha a um cofre. Na altura em que o chá era considerado um bem valioso, era neste cofre que as Condessas guardavam a erva para as infusões.

Seguimos para  a Sala de Fumo. Esta sala não vemos, definitivamente, na série. Pequena e com várias pinturas holandesas do século XVII, a sala conta ainda com fotografias da família, servindo como um pequeno museu. Uma vez mais, a nossa guia explicou-nos que é nesta divisão que se costuma guardar todos os adereços, louças e mobília que a série não quer usar.

A Pink Room, a pequena salinha logo a seguir, é também uma homenagem à família residente, contando nas suas paredes com retratos de cada uma das condessas que passaram por Highclere Castle. É uma sala muito pequena, acolhedora e feminina e também onde termina a nossa visita.

Highclere Castle: exposição egípcia e chá na casa do cocheiro

Conduzidos à cave, somos levados não à cozinha (essas estão também em estúdio) mas sim a uma exposição sobre o Antigo Egipto. Para quem não sabe, o 5.º Conde Carnavon, acompanhou Howard Carter na descoberta do túmulo de Tuthakamon, no Egipto. Muitos dos artefactos recolhidos em tais expedições estão agora em exposição em Highclere Castle. Para quem apreciar a cultura egipícia este será, certamente, um ponto alto da visita.

Antes de irmos embora passamos pela casa do cocheiro, restaurada e pronta a acolher os visitantes com chá, sopa, sandes e scones com compota. Um final muito Downton Abbey para a nossa visita! E aqui, os visitantes portugueses vão sem dúvida ficar tão admirados como eu fiquei: quem está a servir o chá é, nada mais, nada menos, que uma equipa de dois portugueses.

Nota final: Este artigo foi escrito não sobre uma perspetiva histórica, com detalhes arquitetónicos e históricos. Uma vez que não tenho conhecimento suficiente para falar de cada um destes detalhes históricos, limitei-me a mostrar-vos como é uma visita a Highclere Castle sobre a perspetiva de quem é fã da série Downton Abbey.

CLIQUE AQUI e confira também agora a nossa página com uma lista imperdível de PROMOÇÕES DE VIAGENS!

 

Partilhe este artigo

Comentário

  • Paula
    08 March, 2016

    Oi Eduardo! Adorei o post e estou ajudando a minha sogra a planejar a viagem dela. Sabe me dizer se este chá da tarde está incluído em todos os ingressos, ou somente no mais completo? Abraço!

    • Eduardo Aranha
      Eduardo Aranha
      09 March, 2016

      Olá Paula! Na altura em que fui comprei um bilhete especial de Outono que incluía o chá. No entanto, penso que mesmo que compre o bilhete normal, poderá visitar a sala de chá e comer qualquer coisa, pagando à parte.

  • 30 June, 2017

    Excelente post.
    Um sonho de lugar, se essas paredes falassem quantos segredos não nos contariam?!

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *