Home / Brasil /

Este Parque da Floresta Amazónia é muito diferente do habitual

Floresta Amazónia

Este Parque da Floresta Amazónia é muito diferente do habitual

 

Muitas pessoas não se apercebem, mas Belém, a agitada capital do Pará, fica muito perto da maior floresta tropical do planeta. Ao cruzar os portões de acesso na avenida Almirante Barroso qualquer viajante pode ser totalmente absorvido por todo um mundo amazónico.

Tudo o que precisa é ir até ao bairro Curió-Utinga. É aí na zona leste da cidade, que se situa o Parque Estadual do Utinga: um cantinho da Floresta Amazónia de fácil acesso e estruturado para realizar atividades que nunca pensamos fazer na Floresta. Ou já se imaginou a pedalar uma bicicleta ou a fazer rappel na Amazónia?

“O parque é uma vitrine da Amazónia. Não tem forma mais fácil de se conhecer a floresta do que esse parque em plena cidade”, revelou Júlio Meyer, gerente da Região Administrativa de Belém do Ideflor-bio, em declarações à imprensa.

Nos próximos parágrafos conhecemos melhor algumas das atividades que pode realizador no Parque Estadual do Utinga.

Explorar a Floresta Amazónia como nunca pensou fazer

Uma viagem pelo Água Preta

Uma das atividades mais populares deste parque é a navegação em voadeiras no Água Preta, um dos cenográficos açudes locais alimentados pelas águas do rio Guamá. O passeio é curto e restrito ao número de lugares disponíveis na embarcação, mas a viagem permite ver o tesouro natural da floresta: a vegetação alagada, as plantações aquáticas, pequenas trilhas florestais e, com sorte, vida selvagem.

Caminhar pela Trilha Mariana

De volta à terra firme, é possível caminhar ao longo dos 1.700 metros que compõe a Trilha Mariana. É aqui que os turistas podem aprender técnicas de sobrevivência na selva e algumas curiosidades sobre a flora local. Se tiver coragem pode tomar banho numa das nascentes do Parque. Porém, o que todos querem ver é a vida selvagem da floresta que tantas vezes aparece em documentários.

 

Os Animais da Floresta

O Batalhão da Polícia Ambiental, instalado no interior do Parque Estadual do Utinga, abriga animais de apreensão como a curiosa coruja murucututu, jiboia e tucanos. Este é o local que promete satisfazer as delícias dos amantes de natureza e vida selvagem. O parque funciona ainda como um abrigo onde são realizados cuidados básicos e aplicados cuidados nutricionais das criaturas antes de serem soltas de volta à natureza ou enviadas para o grupo de reabilitação.

Pedalar pela Amazónia

No Parque é ainda possível dar ao pedal pela nova ciclovia com três quilómetros de extensão. Se quiser pode ainda experimentar o rapel de 12 metros de altura que termina no interior de um dos canais de água do parque. No entanto, é incrível poder caminhar, pedalar e fazer rapel na Floresta Amazónia.

O Parque Estadual do Utinga preserva uma área verde de 1.353 hectares, uma região ameaçada pela ocupação urbana desordenada e com repercussões no saneamento, saúde e qualidade de vida, segundo o Ideflor-bio (Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará).

O parque é uma das 25 Unidades de Conservação da Natureza do Estado do Pará, criado em 1993, e faz parte de um corredor ecológico que inclui também a Ilha do Combu e o Refúgio da Vida Silvestre, e serve de refúgio para a vida selvagem local, como 88 espécies de aves, capivaras, pacas, tatus, preguiças, macacos-de-cheiro e até onças.

 

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *