Home / Curiosidades /

Conheça 17 Receitas portuguesas de comer e chorar por mais

Conheça 17 Receitas portuguesas de comer e chorar por mais

   

No tempo da ditadura liderada por António Oliveira Salazar era habitual ouvir que a identidade de Portugal assentava na trilogia dos 3 F’s: Fado, Fátima e Futebol. O regime salazarista terminou em 1974, mas a nós parece-nos que há um elemento mais importante do que estes três F’s. Qual? O facto de todos os portugueses serem assumidamente bons garfos.

Da doçaria conventual às feijoadas, cozidos e mariscadas, há receitas para todos os gostos. A discussão sobre a melhor iguaria dava pano para mangas e, embora já tenham sido eleitas as 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa, a verdade é que todos têm alguma coisa a dizer quando o assunto é comestível. Uns preferem este em vez daquele prato e outros juram que não há melhor do que a comida da avó.

No estrangeiro, Portugal é muito conhecido pelo bacalhau, mas à medida que o tempo passa a verdade é que mais e mais petiscos têm sido reconhecidos.

Com o aumento dos turistas a visitar o país é natural que comecem as iguarias comecem a ser levadas nos corações de quem por cá passa. Arriscamos a dizer que é impossível conhecer o Porto sem pelo menos provar uma Francesinha.

A propósito de Francesinhas: será que este prato vai ter lugar nesta lista? Não querendo ferir susceptibilidades, avisamos já que por ser tão vasta é impossível incluir aqui todos os pratos da gastronomia portuguesa.

Ainda assim, decidimos arriscar e escolher algumas das mais famosas receitas provadas por cá. Mesmo que a sua favorita não esteja aqui, temos a certeza que todas elas são de comer e chorar por mais.

17 Receitas Portuguesas para quem é bom garfo

1 – Pão-de-ló de Ovar

Para começar adoçamos-lhe o paladar com um belo Pão-de-Ló de Ovar. Com uma consistência ligeiramente mole e suave, esta iguaria surge associada à doçaria conventual. Julga-se que a certa altura uma freira passou a receita para um familiar que vivia em Ovar e que começou a fazer a receita. O Pão-de-Ló de Ovar já existia antes do século XVIII e tornou-se “rival” dos vizinhos ovos-moles de Aveiro.

2 – Ovos moles de Aveiro

E para evitar guerras, não podíamos também deixar de contar a história dos ovos-moles. À semelhança da anterior, esta icónica receita portuguesa também foi criada num convento, neste caso, no Mosteiro de Jesus de Aveiro.

Reza a história que o doce surgiu para aproveitar as gemas que sobravam depois das claras dos ovos serem usadas pelas freiras para engomar os hábitos. Os ovos-moles eram tradicionalmente vendidos junto à estação de comboio por senhoras que vestiam trajes tradicionais.

3 – Folar de Carne à Transmontana 

Dos doces para os salgados, rumamos agora até Trás-os-Montes. A iguaria de que lhes falamos é uma junção de massa com todo o tipo de enchidos bem típicos da região. Embora atualmente faça parte dos lanches de entradas durante todo o ano, o Folar de Carne à Transmontana é feito come-se pela Páscoa e é confecionado na Sexta-feira Santa.

4 – Toucinho-do-Céu 

O Toucinho-do-Céu é uma sobremesa ibérica. Além de Portugal, o doce também é muito apreciado em Espanha, fazendo parte da tradição conventual de ambos os países.

Os ingredientes normais são as gemas de ovos, a amêndoa e a gila e atualmente é possível encontrar a sobremesa um pouco por todo o país (embora as versões mais afamadas sejam as de Guimarães, Murça e Trás-os-Montes). Chama-se Toucinho-do-Céu porque era originalmente feita com banha de porco.

5 – Tarte de Amêndoa Algarvia 

A Tarte de Amêndoa Algarvia é um doce que tira partido de um dos frutos mais icónicos da região: as amêndoas. Quem passa pelo Algarve durante os meses de inverno, certamente não se esquecerá das flores brancas e rosa que invadem a paisagem mais a sul de Portugal. Além da doçaria, a tarte é usada para confecionar licores, assim como outros produtos tradicionalmente algarvios.

6 – Carne de Porco à Alentejana 

A Carne de Porco à Alentejana é um prato onde a terra encontra o mar. Os ingredientes fundamentais são a carne de porco (obviamente) e as ameijoas. A história do prato tem várias versões. Julga-se que, à semelhança das alheiras, o consumo da carne de porco aumentou na altura dos cristãos-novos.

Para disfarçar a sua identidade religiosa, os judeus recém-convertidos convidavam vizinhos e amigos para a matança do porco. Desta forma, não havia dúvidas de que se tinham, de facto, convertido.

7 – Bifanas 

As bifanas são um petisco comido de norte a sul. Os habitantes de Vendas Novas dizem que o prato nasceu lá e, por isso, é na cidade que se comem as melhores. No centro e sul, a febra no meio do pão é grelhada, sendo também temperada com mostarda ou um molho picante. No norte, é normalmente laminada e servida num molete (pão bijou) ensopado em molho.

8 – Chocos à Algarvia 

Quem for de férias para o Algarve não pode deixar de provar os famosos Chocos à Algarvia. As receitas têm diferentes versões, mas normalmente os chocos são colocados numa frigideira e temperados com alho, cebola, azeite, vinho branco e ervas aromáticas. É depois acompanhado com batatas cozidas ou fritas.

9 – Francesinha 

E não é que ela cá está? Este é talvez o prato mais icónico (e o mais delicioso) do Porto. Reza a história que durante a Guerra Peninsular, os soldados franceses costumavam comer grandes sanduiches recheadas com várias carnes e repletas de queijo.

O molho terá chegado mais tarde e a sua autoria é atribuída a Daniel David Silva, do Restaurante A Regaleira. Estávamos em 1950, quando o empregado vindo de França resolveu criar uma tosta “croque-monsieur”. Regou-a com molho e nasceu a Francesinha.

10 – Pastéis de Belém 

A história dos pastéis de belém remonta ao ano de 1837, quando o Mosteiro dos Jerónimos em Lisboa resolveu colocar à venda uns pastéis que rapidamente se tornaram famosos entre os turistas que ali passavam, vindos dos barcos a vapor. Com o fecho do mosteiro em 1834, a receita foi transmitida a Domingos Rafael de Alves e depois aos seus descendentes.

11 – Polvo assado no forno 

O Polvo assado no forno pode ser encontrado em todo o país e nos Açores, especialmente em Ponta Delgada, onde as receitas com esta iguaria são mais abundantes.

A versão mais famosa é a assada no forno, juntamente com “vinho de cheiro”. Antes de ser confecionado o polvo costuma ficar numa marinada de 24 horas. Juntamente com o vinho, acrescenta-se alho, colora, pimenta e malagueta.

12 – Leitão à Bairrada 

O leitão é uma iguaria presente na gastronomia desde o tempo dos romanos. Julga-se que a ligação do animal à Bairrada terá começado por volta do século XVII, altura em que a criação de suínos naquelas terras se tornou excedentária. Com porcos a mais, começou-se a vender mais leitões.

O primeiro documento relativo ao prato remonta a 1743, mas são vários os concelhos que dizem que o leitão é tipicamente seu. Os mais conhecidos são provavelmente a Mealhada e Águeda.

13 – Pudim Abade de Priscos 

Típico da cidade de Braga, o Pudim Abade de Priscos é uma receita de Pereira Júnior, o diretor do Magistério Primário feminino no antigo Convento dos Congregados. O doce foi-lhe ensinado pelo Abade de Priscos e é uma das poucas receitas que subsiste. Com um sabor forte, o pudim é feito com ovos, vinho do porto, caramelo, canela, limão e toucinho de presunto.

14 – Sopa da Pedra 

Foi em Almeirim que surgiu a famosa Sopa da Pedra. O prato está associado a uma lenda de um frade muito pobre que estava em peregrinação, e que se dirigiu a uma casa para pedir uma panela. Queria fazer Sopa de Pedra, dizia. Orgulhoso demais para pedir comida, retirou a pedra bem lavada e começou a cozinhá-la sob o olhar intrigado dos donos da panela.

À medida que ia cozinhando foi perguntando se não tinham sal ou um pouco de chouriço para dar sabor à sopa. Depois pediu batatas e feijão para engrossar o caldo e, por fim, um pouco de cenouras. No final, comeram todos a sopa e o frade guardou a pedra para a fazer a próxima.

15 – Pastéis de Tentúgal 

Os Pastéis de Tentúgal eram inicialmente conhecidos como Palitos Folhados e eram produzidos no Convento das Freiras Carmelitas do Carmelo. No seculo XIX, começaram a ser vendidos primeiro pelo convento e depois por uma hospedaria famosa pelos cozinhados.

Com o tempo, o nome foi mudando e rapidamente se tornou no pastel da cidade, o Pastel de Tentúgal. A popularidade do doce cresceu durante o seculo seguinte e hoje ele é sobejamente conhecido.

16 – Tripas à Moda do Porto 

As Tripas à Moda do Porto têm a sua origem no tempo do Infante D. Henrique. Na altura em que precisou de abastecer as naus rumo a Ceuta, o infante pediu aos habitantes da Cidade Invicta que lhe doassem todo o tipo de alimentos de que dispusessem.

As carnes foram limpas e partiram rumo a África, só ficaram as partes menos nobres – as tripas. Os portuenses foram então obrigados a puxar pela imaginação e assim surgiu um novo prato: as Tripas à Moda do Porto.

17 – Caldo Verde 

O Caldo Verde é uma sopa muito típica do norte de Portugal. Foi levada para o Brasil pelos portugueses e nalgumas regiões do país ainda é tradição. A confeção é simples e leva batata, couve-galega e uma rodela de chouriço para dar sabor. O Caldo Verde é muito comum nos santos populares e pode ser acompanhado por um bom vinho ou por um pedaço de broa.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
AdobeStock

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *