Home / América Central /

Uma mensagem de paz em vez de um muro entre México e EUA

Uma mensagem de paz em vez de um muro entre México e EUA

 

Decidido a dar uma nova cara à fronteira do México com os Estados Unidos da América, o artista mexicano Enrique Chiu usou um muro metálico construído pelo governo americano em 1994 como tela para a sua arte e para passar mensagens de paz e união, que já chegam a dois quilómetros.

“Precisamos de ver o muro de outra maneira”, afirma Chiu sobre as razões que o levaram a iniciar, em dezembro de 2016, um esforço para dar cor às oxidadas barras e lâminas metálicas que os EUA colocaram na sua fronteira com o México muito antes de o atual presidente, Donald Trump, falar em ampliá-lo em grande escala.

Sete meses após limpar e pintar as primeiras placas na zona de Playas Tijuana, o mural está a caminho de ser reconhecido como um recorde mundial pelo Guinness.

“Pintamos o lado que precisa. Para eles (EUA), o muro é uma forma de trabalho, colocaram-no lá por uma razão; para nós é outra coisa, é diferente”, declarou o artista de 35 anos nascido em Guadalajara, capital do estado de Jalisco.

Enrique Chiu apresentou o projeto Muro da Irmandade nas redes sociais em agosto de 2016 e, motivado pela resposta positiva, começou a pintar no dia 1 de dezembro do mesmo ano com um orçamento próprio de US$ 1000.

“O tema (do mural) é enviar uma mensagem em prol da migração, a favor da fronteira; que as pessoas vejam o que estamos a fazer no país, o que se vive diariamente aqui”, comenta Enrique Chiu, que estudou na escola de artes gráficas de Guadalajara.

 

As razões de Enrique Chiu

Dirigente da Fundação Nacional de Artistas Independentes, o mexicano contou que sua vida na fronteira, onde chegou aos nove anos de idade, e os seus estudos nos EUA, o fizeram ver a região com uma perspectiva que deseja ver refletida no mural. “Sei o que é viver na fronteira, o que é fazer o papel daquele lado, deste lado; sei o que é ter tudo e não ter, entendo o tema migratório”, comentou.

TripAdvisor
 

Enrique Chiu disse ter documentado com fotos a participação de 2 mil pessoas no mural, entre elas artistas de países como Argentina, Egipto, Espanha e Venezuela, que expressaram por telefone o desejo de cooperar e pintar. A cada fim de semana aparecem mais pessoas, e o mural cresce mais alguns metros, tudo isso entre catos, árvores e terra, ainda que algumas áreas sejam de difícil acesso. O artista explicou que apesar de já ter pintado um total de mais de dois quilómetros, há um trecho de aproximadamente 200 metros numa zona de barrancos e mato que serão pintados em breve para que o mural seja a linha contínua que deseja.

 

Quando ouve as desqualificações do presidente americano, Donald Trump, em relação aos migrantes mexicanos e as suas ameaças de construir um muro por todos os 3.152 quilómetros de fronteira comum, Enrique Chiu defende o objetivo original do mural.

“O projeto começou muito antes da chegada de Trump e com a ideia de irmanar as cidades; Trump vence, o muro faz um boom e as pessoas aparecem, mas no final prevaleceu a ideia”, afirmou o artista, que já expôs obras na Califórnia e dirige uma galeria em Tijuana. O mexicano alega que por enquanto é “impensável” replicar o mural do lado americano, já que, quando apresentou o projeto às autoridades dos EUA, a resposta foi “Pinte o que quiser daquele lado (mexicano); mas deste não pode”.

A ebulição entre os habitantes e a imprensa levou Enrique Chiu a planear metas para começar a desenvolver o mural em cidades fronteiriças como Tecate e Mexicali (Baixa Califórnia), Naco (Sonora), Ciudad Juárez (Chihuahua) e Reynosa (Tamaulipas). “As pessoas têm muita fé e queremos fazer em novas cidades. Vamos pintar algo simbólico para engrandecer a irmandade”, diz o artista ao prometer: “Vamos fazer um dos maiores murais do mundo”.

México e EUA têm uma fronteira que se estende ao longo de 3.152 quilómetros, uma boa parte dela definida pelo Rio Bravo, que desemboca nas águas do Golfo do México. A construção do muro fronteiriço começou em 1994 e, até agora, compreende um terço dos 3.152 quilómetros da linha da fronteira.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
 

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *